.

.

.

9 de outubro de 2010

.


- Sabe o que eu pensava das estrelas antigamente quando havia noite de tempestade?

- Diga.

- Eu tinha um medo danado de que o vento desarrumasse tudo e misturasse as constelações.
Assim como se uma estrela saísse do seu lugar e penetrasse noutro desenho do céu.
Anna que me explicou que as estrelas não eram aqueles pontos pequenininhos que a gente via.
Que eram mundos maiores e mais pesados que o nosso.
Por isso se viesse o maior vento do mundo não conseguiria abalá-las.



(José Mauro de Vasconcelos - O veleiro de cristal)

.
.

Nenhum comentário: